Açaí do Ceará pode ser melhor que o fruto do Pará; entenda!

- Advertisement -

O mercado de consumo de açaí no Ceará apresenta um crescimento impressionante de 15% ao ano, o que indica um grande potencial para o cultivo dessa fruta na região. Essa informação foi compartilhada por Eliseu Belort, consultor técnico em fruticultura irrigada, durante o evento da PEC Nordeste 2024.

Um dos motivos que tornam o açaí cultivado no Ceará potencialmente superior ao do Pará é a seleção criteriosa das áreas de plantio, levando em consideração a infraestrutura, o solo e o clima. No quesito clima, o Ceará se destaca em relação ao Pará devido à sua elevada luminosidade, atingindo 4380 hl/ano, enquanto o Pará registra apenas 2389 hl/ano. Essa condição climática favorável permite a produção de açaí de alta qualidade na região.

Além do clima, a segurança hídrica é um fator fundamental para o cultivo bem-sucedido do açaí. É essencial encontrar regiões que ofereçam garantia de disponibilidade de água. A temperatura também desempenha um papel importante, e o Ceará possui uma vantagem nesse aspecto. Com temperaturas que raramente caem abaixo de 15 graus, o cultivo do açaí encontra condições favoráveis no estado. No entanto, é importante fornecer suplementação hídrica adequada, pois o açaí não tolera o excesso de água, o que pode prejudicar seu crescimento.

Antes de iniciar o plantio, é necessário realizar um preparo adequado do solo, incluindo análise e correção. A tecnologia de aumento de fertilidade é essencial para maximizar a produção. A correção do solo, especialmente em relação ao pH, desempenha um papel vital nesse processo. Um pH adequado melhora a disponibilidade de nutrientes e reduz a toxicidade de elementos como o alumínio, que podem ser prejudiciais às plantas.

Consequentemente, Eliseu Belort ressalta a importância de focar na segurança hídrica, na qualidade do solo, na genética das plantas e em um bom entendimento do mercado e das competências profissionais necessárias para o cultivo do açaí.

A Secretaria do Desenvolvimento Econômico (SDE) do Ceará está empenhada em estimular a plantação de açaí no estado. Segundo o secretário-executivo do agronegócio da SDE, Sílvio Carlos Ribeiro, o açaí possui um grande potencial e pode impulsionar significativamente a produção do estado. Regiões como Paracuru já demonstraram excelentes resultados na produção de açaí e há uma demanda crescente por essa fruta no Brasil.

Além do açaí, a SDE está desenvolvendo projetos para estimular o cultivo de outras culturas, como cacau, mirtilo, caju, café e acerola orgânica. A acerola orgânica, em particular, é muito procurada, mas a oferta ainda não é suficiente para atender à demanda.

O café é uma das grandes apostas da SDE. Está sendo incentivada a produção de café de boa qualidade, orgânico e regionalizado, visando agregar valor e rentabilidade ao agricultor.
O governo do Ceará tem como objetivo atrair novos investidores para o setor agrícola. O secretário-executivo do agronegócio da SDE destaca que o foco atual das ações está em promover e atrair investimentos para que as empresas possam expandir sua produção.

A região da Serra da Ibiapaba se destaca como uma das áreas com o maior valor bruto de produção, principalmente na produção de hortaliças e flores, sendo o tomate o principal produto cultivado na região.

O governo está em contato com empresas da Espanha, Chile e Peru, países que são importantes exportadores de frutas, visando potencializar as exportações de frutas do Ceará para mercados como Europa, Estados Unidos, Oriente Médio e Ásia.

“Temos buscado tecnologias e novas atividades para transformar o nosso agro. O Ceará tem uma área muito boa para produzir frutas e determinadas espécies de frutas, além de uma localização estratégica no Atlântico e infraestrutura portuária, o que facilita a exportação.” Disse Sílvio Carlos Ribeiro.

- Publicidade -
spot_imgspot_img
DOL
DOLhttps://dol.com.br/?d=1
Site especializado do portal DOL com notícias, reportagens especiais e informações sobre a COP 30, maior evento climático do mundo, que será realizado em Belém, em 2025, além de temas relacionados, como Amazônia, mudanças climáticas e desenvolvimento sustentável.