Ministério do Meio Ambiente repassa R$ 10,4 bilhões ao Fundo Clima

- Advertisement -

Aministra Marina Silva e o presidente do BNDES, Aloizio Mercadante, assinaram nesta segunda-feira (1º/4) contrato para repasse de R$ 10,4 bilhões ao Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (Fundo Clima). A cerimônia no Palácio do Planalto, em Brasília (DF), foi acompanhada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Os recursos serão repassados do MMA para o BNDES e financiarão projetos para o combate à mudança do clima e o desenvolvimento sustentável do país. O aporte é recorde desde a criação do fundo, em 2009, no segundo mandato do presidente Lula.

“Há uma grande demanda por projetos de muita qualidade e voltados para uma ação de desenvolvimento sustentável que gere emprego, renda e que ajude no processo de mudança econômica”, afirmou Marina à imprensa após a reunião. “Esses recursos com certeza farão diferença no processo de transformação da nossa matriz energética, na agricultura resiliente, em cidades resilientes e outras agendas.”

O fundo é vinculado ao MMA e sua modalidade reembolsável, que recebeu o aporte, é operacionalizada pelo BNDES. De 2011, quando entrou em atividade, a 2022, o mecanismo funcionava com R$ 300 milhões a R$ 500 milhões ao ano, em média.

“Vamos ter agora R$ 10 bilhões contribuindo para o Brasil continuar liderando o enfrentamento da crise climática, a produção energética, a transição para uma economia verde sustentável. São investimentos que vão gerar emprego, salário e, principalmente, vão ajudar a combater a crise climática”, afirmou Mercadante.

Participaram da reunião o ministro da Casa Civil, Rui Costa, e o ministro da Fazenda, Fernando Haddad. A secretária nacional de Mudança do Clima do MMA, Ana Toni, também acompanhou a assinatura.

Com informações do Ministério do Meio Ambiente

- Publicidade -
spot_imgspot_img
DOL
DOLhttps://dol.com.br/?d=1
Site especializado do portal DOL com notícias, reportagens especiais e informações sobre a COP 30, maior evento climático do mundo, que será realizado em Belém, em 2025, além de temas relacionados, como Amazônia, mudanças climáticas e desenvolvimento sustentável.