CNI vê com otimismo regulamentação do hidrogênio sustentável

- Advertisement -

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (28) o PL 2308/23, que institui o marco legal do hidrogênio de baixo carbono no Brasil, tecnologia de energia limpa que ajuda a reduzir as emissões de gases de efeito estufa e os efeitos das mudanças climáticas.

Entre outros aspectos, o texto estabelece conceitos e definições para hidrogênio de baixo carbono e renovável com base na intensidade de emissão de gases de efeito estufa , amplia a competência das agências reguladoras, atribuindo à Agência Nacional do Petróleo a regulação, autorização e fiscalização das atividades ligadas ao hidrogênio e seus derivados, além de criar o Sistema Brasileiro de Certificação do Hidrogênio (SBCH2).

A medida é fundamental para que o país faça a transição para uma economia de baixo carbono e integra a estratégia da Confederação Nacional da Indústria (CNI) para a construção de um país mais sustentável. A instituição vê na transição energética uma oportunidade tanto para a descarbonização quanto para a geração de empregos, atração de investimentos e desenvolvimento de novos modelos de negócios.

Para o gerente-executivo de Sustentabilidade e Meio Ambiente da CNI, Davi Bomtempo, o texto traz elementos importantes para o desenvolvimento de um marco legal para o hidrogênio de baixo carbono. “Esse é um assunto no qual a CNI tem mergulhado bastante, inclusive com o desenvolvimento de vários estudos para que a gente pudesse qualificar o debate. Vamos continuar atuando para que a gente possa, de forma estruturada, trabalhar essa temática da melhor forma possível, sempre com olhar de geração de emprego e renda e desenvolvimento do nosso país”.

Seguindo essa linha, em 2022, a CNI lançou o estudo Hidrogênio Sustentável: perspectivas e potencial para a indústria brasileira, e criou o Comitê Indústria para o Hidrogênio Sustentável, voltado para a elaboração de uma estratégia de criação de marcos regulatórios e políticas públicas para o hidrogênio sustentável, que incorpore elementos necessários para o desenvolvimento desse vetor.

Hidrogênio sustentável

O PL aprovado na Câmara dos Deputados considera como hidrogênio de baixo carbono aquele que, no seu processo produtivo, resulte em até 4 quilogramas de dióxido de carbono equivalente por quilograma de hidrogênio produzido (4 kgCO2eq/kgH2). Esse número deverá ser adotado até o final de 2030, devendo ser regressivo a partir desta data.

O texto define hidrogênio renovável como aquele obtido com o uso de fontes renováveis, incluindo solar, eólica, hidráulica, biomassa, biogás, biometano, gases de aterro, geotérmica, das marés e oceânica. A adesão ao sistema de certificação será voluntária por parte dos produtores de hidrogênio ou de seus derivados.

Agora o PL segue para avaliação e votação no Senado Federal.

Sobre o Projeto Indústria Verde

O Indústria Verde é uma iniciativa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) para apresentar as contribuições da indústria brasileira à agenda ambiental. A indústria é parte da solução no desenvolvimento sustentável. O setor produtivo é um dos pioneiros a assumir a responsabilidade de estimular a implementação dos compromissos climáticos no país.

Saiba mais sobre o Indústria Verde no site do projeto e nas redes sociais:
https://linktr.ee/industria.verde

Com informações da Assessoria

- Publicidade -
spot_imgspot_img

Conteúdo Relacionado

DOL
DOLhttps://dol.com.br/?d=1
Site especializado do portal DOL com notícias, reportagens especiais e informações sobre a COP 30, maior evento climático do mundo, que será realizado em Belém, em 2025, além de temas relacionados, como Amazônia, mudanças climáticas e desenvolvimento sustentável.